A pandemia fez as empresas remodelarem suas formas de trabalho e se desdobrar para conseguir gerir seus colaboradores em home office. No entanto, com a retomada da economia e a volta das atividades presenciais, surge mais um desafio: garantir uma retomada das atividades segura para todos.

Para permitir essa garantia, colocar em prática todas as recomendações de saúde para garantir um retorno seguro tem sido uma das questões mais levantadas. Além disso, como algumas empresas permaneceram fechadas por um longo período, a limpeza não será a única preocupação nesse momento. Sistemas de segurança, como os de incêndio, por exemplo, também precisarão ser revistos.

Carlos Henrique dos Santos, gestor de Desenvolvimento Técnico da Sprink, aponta, inclusive, que os planos de escape também precisam ser revisados. ““As portas de saída podem estar fechadas para entrada, mas não trancadas para escape. Além da revisão da rota de fuga, também deve ser elaborado um plano de contingência exclusivo para a pandemia. Todas essas medidas devem ser desenvolvidas por um profissional da área”, afirma o técnico.

Para manter a segurança dos patrimônios e, principalmente, da vida dos colaboradores, além de revisões de segurança, uso de máscaras obrigatório e das distribuição de álcool em gel 70%, Carlos Henrique explica como aplicar outros cuidados na retomada das atividades. A ordem da vez é higienização constante!

A mudança na rotina nos empreendimentos

Além da sanitização, os elevadores precisam ter a capacidade reduzida em 50%. Os diretórios digitais e as telas sensíveis ao toque devem ser desativados por enquanto. Já os dutos de ventilação e sistemas de purificação não podem ficar de fora dos esquemas de limpeza.

Nos lugares onde filas precisarem ser formadas, linhas devem demarcar o local, com espaçamento de no mínimo dois metros, para garantir o distanciamento social. Nesses momentos, o sistema de vigilância também serve para monitorar a distância entre as pessoas e o uso das máscaras.

O uso de cartazes com orientações, em banheiros, elevadores, escadas, pode ajudar e fazer com que as pessoas se adequem às novas formas de ocupação dos lugares em segurança.

Novos hábitos para as pessoas

Além de lavar as mãos, não levá-las os olhos ou boca, por exemplo, reduz os riscos de contágio. Nesse momento, não devemos utilizar bebedouros coletivos e nem compartilhe nossos objetos de uso pessoal, como copos, talheres e toalhas. Inclusive, não devemos usar telefones, canetas e equipamentos compartilhados, sem antes desinfetarmos todos os objetos com álcool gel 70%.

O momento não exige vaidade. Unhas, por exemplo, devem estar aparadas e limpas, de preferência sem esmaltação.

Ao tossir ou espirrar, não cubra o rosto com as mãos e não retire a máscara. Cubra o nariz e a boca com um lenço de papel, que deve ser descartado e a máscara, trocada. Outra opção é colocar o antebraço na frente do nariz e da boca.

No trajeto de casa até o trabalho, mantenha sempre a distância mínima de dois metros das outras pessoas. Evite coletivos cheios. A carona de carro de um amigo de trabalho é uma boa opção, porém dever estar limitada a 50% da capacidade do veículo, além de evitar o uso do ar-condicionado.

Ritual ao chegar em casa

As medidas de proteção continuam ao chegarmos em nossas residências. Então, antes de entrar em casa, retire os calçados e coloque-os sobre um pano umedecido com solução desinfetante, com 50 ml de água sanitária para um litro de água.

A prioridade é sempre higienizar as mãos, então, além de passar álcool gel nas mãos, utilize, de preferência, um pano limpo umedecido com solução desinfetante em tudo que você tocou, como a chave, celular, interruptor e maçaneta das portas.

Assim como suas roupas, a mochila que usar ao sair de casa, também deve ser lavada. Além disso, ao chegar, a sua higienização pessoal deve ser completa, tomando banho e, inclusive, lavando os cabelos com xampu.