Órgãos de Justiça de todo o país, mediante acordo de cooperação celebrado entre a Cisco do Brasil, líder mundial em tecnologia, e a aproveitar hoje as oportunidades digitais do futuro. e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), poderão contar com a plataforma de videoconferência Cisco Webex e dar continuidade às atividades dos tribunais durante a pandemia.

A utilização teve início no dia 15 de abril, onde o Supremo Tribunal Federal realizou a primeira sessão virtual de sua história, através de tecnologia Cisco, sendo transmitida ao vivo pela TV e mídias sociais.

A adoção da Plataforma pelo CNJ permite a continuidade de Atos Processuais e está sendo utilizada em sessões virtuais sob sua gestão operacional que também a disponibilizou em seu website para todos os tribunais magistrados. Além do mais, a Cisco e o CNJ estão promovendo webinars para capacitação dos usuários. E o melhor de tudo isso é que tudo está sendo disponibilizado de forma gratuita, basta se cadastrar e ter acesso aos treinamentos! A oferta se estenderá por 90 dias, sem ônus para os tribunais de justiça, podendo ser estendido por igual período, garantindo que as atividades desenvolvidas pelos órgãos não sejam afetadas durante a crise.

O presidente da Cisco acredita que em momentos de crise a tecnologia pode ser uma importante aliada e que o uso da videoconferência pelo judiciário brasileiro é um exemplo claro disso. A empresa acredita que o máximo que se puder extrair da tecnologia para auxiliar na continuidades dos serviços públicos é a chave para superar o momento delicado de pandemia, prezando sempre pela qualidade e segurança. Já o Ministro José Antonio Dias Toffoli, Presidente do CNJ e do STF, ressaltou a importância da parceria para a sociedade brasileira principalmente na entrega de um serviço público de qualidade e que neste caso, teve custo zero. Implementado com rapidez e eficácia o sistema se mostra eficiente e é fruto de um trabalho cooperativo.

Como mostra os dados disponibilizados pelo próprio CNJ já há cerca de 10.000 usuários ativos da Plataforma Emergencial de Videoconferência e com mais de 40.000 reuniões realizadas pelo Webex, incluindo reuniões de trabalho, audiências e sessões de julgamento, que acontecem desde o dia 2 de abril.

O legal é que a ação da Cisco não se restringe apenas à acordos com órgãos da justiça, a empresa está realizando várias iniciativas de forma a facilitar a continuidade dos serviços em diversos segmentos essenciais da sociedade durante a crise.