O termo Fintech surgiu da união de duas outras palavras: financial e technology. O termo é utilizado para startups que estão revolucionando o mercado financeiro. São empresas que desenvolvem produtos financeiros 100% digitais, entre elas, os bancos digitais que oferecem soluções inéditas, menos burocracia e custos muito baixos ou até inexistentes.

“Está é uma excelente alternativa para evitar custos com manutenção da conta, transferências, TEDs e DOCs, fugir da burocracia e das longas filas de espera dos bancos”, destaca Gisele Machioski, contadora. A conta pode ser aberta do conforto do seu lar com a ajuda de um smartphone.

Mas, o serviço não apresenta apenas vantagens. Assim, Gisele apresenta além das vantagens, algumas desvantagens dos principais bancos digitais existentes.

Acompanhar o saldo e o estrato do banco sem ter que ir até uma agência é umas das vantagens do serviço que também possibilita pagar contas, transferir dinheiro para outras agências sem pagar taxas, fazer depósito por meio de boleto bancário ou de cheques por imagem, aponta a contadora.

Michele também destaca que o saldo em conta fica rendendo a uma taxa bem próxima à da Selic, e que há a disponibilidade do cartão de débito para compras e saques em caixas 24, cartão de crédito sem anuidade, atrativa área de investimentos, como CDB, LCI e LCA, solicitações de empréstimos, recarga de celular e conta digital Pessoa jurídica e para MEI. Todas essas vantagens são muito atrativas, embora também existam algumas desvantagens.

Uma desvantagem bem aparente é a afinidade com a tecnologia, desprovida por algumas pessoas, que podem enfrentar algumas dificuldades para utilizar as contas. Isso faz com que a maioria dos correntistas de bancos digitais sejam pessoas mais jovens, justamente pela afinidade e costume com o meio online.

Um outra questão, que gera insegurança nos usuários é a ausência de suporte presencial. Uma grande parte dos usuários de bancos, ainda preferem sanar dúvidas olhando olho no olho, o que faz com que alguns consumidores tenham medo da possível dificuldade para resolver problemas com a equipe do banco.

Além das vantagens e desvantagens na utilização dos bancos digitais, uma outra questão que ainda assola grande parte dos consumidores é se os bancos digitais são seguros. Nesse sentido, Gisele apresenta que “Todas as empresas que criam produtos para este setor, precisam seguir uma série de regras e normas específicas. Mesmo as fintechs precisam seguir regras rígidas para oferecer seus produtos à população, se tudo isso estiver de acordo, sim são seguras”. Vale lembrar que O Banco Central é uma das instituições que regula o mercado e monitora as atividades do setor financeiro no Brasil, assim, o controle de segurança atrelado ao banco físico também se aplica ao digital.

As Fintechs cresceram muito nos últimos anos. O barateamento da tecnologia da informação e o aumento do acesso à internet, contribuiu para esse crescimento e com certeza para a revolução no mercado financeiro.