A Covid-19 evidenciou a todos que imprevistos acontecem e que muitas pessoas não estavam preparadas para as urgências, principalmente no que se refere à vida financeira. Para isso, Otávio Machado, especialista em educação financeira da Creditas, principal plataforma online de crédito com garantia do Brasil, fala sobre o que é e como fazer e manter uma reserva financeira para ajudar nesses momentos.

“Momentos inesperados acontecem na vida de todos e para passar por eles da melhor forma, é muito importante um planejamento financeiro para se ter um fundo de emergência. Com ele, a pessoa guarda uma quantia para que possa continuar pagando suas despesas por um período, caso deixe de ter a renda prevista. Afinal, ninguém consegue prever uma demissão, gastos extras com remédios ou o pagamento do conserto do carro ou de eletrodomésticos”, aponta Machado.

Por isso, a educação financeira é muito importante e pode contribuir para que quem não tem o hábito de poupar, aprenda a se planejar. Dados de uma pesquisa feita em março de 2020 pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mostram que 52,1% dos brasileiros não contam com uma reserva de emergência.

Para se ter uma boa reserva emergencial, algumas dicas!

O primeiro passo é analisar e organizar o orçamento mensal ponto a ponto para identificar quais são os gastos essenciais e quais não são. Neste momento, é importante reorganizar dívidas, caso as tenha, entender juros e prazos e identificar se as parcelas estão com valores praticáveis ou se deve-se tentar renegociar. Colocar tudo em uma planilha pode ajudar nessa organização.

Após entender todos os gastos, um método que pode ser usado para entender melhor para onde está indo o dinheiro, é a regra do 50-30-20. Com ela, é possível também se estabelecer uma proporção mensal para cada um dos tipos de gastos:

  • 50% para os gastos burocráticos ou fixos, como as contas de moradia e consumo;
  • 30% para os gastos flexíveis ou de qualidade de vida;
  • 20% para os investimentos no futuro ou construção da reserva de emergência.

O ideal é fazer os cálculos do quanto essas porcentagens representam no orçamento mensal para manter os valores sempre em mente. Dessa forma, fica mais fácil priorizar como investir o dinheiro.

Quando o salário é mensal, o mais comum para muitas pessoas é pagar primeiro todos os gastos fixos ou de rotina. Em seguida, partem para os gastos flexíveis ou os relacionados com a qualidade de vida. E, enfim, ficam por último, os investimentos no futuro: aquele dinheiro que pode ser reservado para se ter um bom padrão de vida ou realizar um projeto importante.

Porém, o ideal é inverter essa lógica e colocar os investimentos em primeiro lugar, pois, caso haja imprevistos, a pessoa não será pega de surpresa. Em seguida, a qualidade de vida e por último, os gastos burocráticos. Assim, é possível ter mais flexibilidade para fazer uma mudança de vida até ter o ganho mensal novamente.

Uma reserva financeira deve contemplar entre três e seis meses dos custos fixos, pois isso dá maior segurança em casos inesperados, mas, quanto maior for essa reserva, mais segurança terá. No caso de pessoas que têm uma remuneração variável, é importante que a reserva seja ainda maior por não contar com auxílios, como o seguro desemprego e o fundo de garantia para conseguir manter o pagamento de suas contas.

Um fator importante a ser destacado é que ao conseguir criar uma reserva financeira, muitas pessoas acabam a usando para outros recursos, como viagens e passeios. Porém, a ideia de se ter uma reserva de emergência é para que seja usada justamente em momentos inesperados e em que a renda tenha acabado ou diminuído. Os recursos destinados a lazer devem ser planejados. “Caso apareça uma oportunidade de lazer com muito desconto, se pago à vista, pode valer a pena usar a reserva, mas após esse evento, a prioridade total deve ser repor a quantia gasta” completa.

E por fim, a preservação do valor da reserva pode garantir um crescimento na quantia, se bem aplicada. A alternativa é escolher por uma opção de investimento que não tenha baixo rendimento e sim aquelas que deixem o que foi poupado ainda mais rentável, garantam o resgate imediato, tenham um baixo risco por conta das oscilações do mercado e uma baixa taxa de administração.

Algumas das opções mais indicadas são o Tesouro Selic (LFT) e fundos de Renda Fixa Referenciados DI Simples.