Cientistas japoneses descobriram um novo polímero de vidro  que pode se curar e pode ser usado como material de tela para Smartphones, TVs, PCs, laptops, tablets e outros equipamentos eletrônicos.

A descoberta do polímero de auto-cura pode levar ao fim das telas frágeis!!!

Assim como muitos avanços científicos, o vidro de polímero foi descoberto por acidente por um estudante japonês na Universidade de Tóquio.

Vidro de polímero autocurável descoberto por acidente

Em uma entrevista com um jornal local, o estudante, Yu Yanagisawa, diz que descobriu o vidro de polímero enquanto trabalhava na criação de uma cola.

Em um de seus experimentos, os ensaios do aluno resultaram na criação de um vidro único de poliéter-tioureas. Ele descobriu que, quando ele corta peças do vidro de polímero, eles se aderem e criam uma conexão sólida depois de apenas comprimir manualmente as duas folhas de vidro por 30 segundos a 21 ° C.

Yanagisawa percebeu imediatamente que ele se deparou com algo especial, porque todos os materiais anteriores de autocura começariam o processo de autocura somente em temperaturas muito elevadas, e geralmente exigiria horas para juntar.

Depois de repetir suas descobertas para se certificar de que isso não era um acaso, Yanagisawa foi a seus professores. O trabalho subsequente sobre o detalhamento deste novo vidro de polímero foi publicado na revista Science. O documento de pesquisa é intitulado “Mechanically robust, readily repairable polymers via tailored noncovalent cross-linking.” (Polímeros mecanicamente robustos e prontamente reparáveis ​​através de reticulação não covalente adaptada).

Não é o primeiro desses materiais

O vidro de polímero descoberto pela equipe japonesa é perfeito para uso como material para a fabricação de telas, mas não é a única de 2017.

Em abril de 2017, pesquisadores da Universidade da Califórnia, Riverside descobriram o que eles chamavam de “músculo artificial ” que também pode se autocurar.

O novo material, que ainda não tem um nome, é transparente, eleva-se até 50 vezes o tamanho original, conduz íons para gerar corrente e se junta em aproximadamente um dia, à temperatura ambiente, depois de ter sido completamente “quebrado”.

FONTE: BLEEPING COMPUTER CANAL NOSSO NO TELEGRAM !!!